Publicado em

Nala

Apresento-vos a Nala, é um bulldog francês com 1 ano e está comigo desde os 2 meses.

Quando a Nala chegou a minha casa eu já tinha um yorkshire, a vontade dela era brincar com ele e aconchegar-se mas ele no início não achou muita piada. Com o tempo lá foi conseguindo amolecer o nosso Simba e neste momento eles são inseparáveis. São para mim a melhor companhia do mundo e vão estar comigo para sempre.

A Nala porta-se muito bem, deu-nos alguns problemas como qualquer cão bebé o faz, mas com o tempo foi sendo educada e está uma princezinha muito bem comportada.

Ela adora comer, ir à praia e correr até cair para o lado. Não consegue estar parada e só gosta de dormir à noite.
Os momentos altos do dia para ela são as refeições, adora comer e temos de ter muito cuidado porque está sempre a ver quando estamos distraídos para comer a comida do Simba.

A pior coisa que podemos fazer à Nala é dar lhe banho, ela não gosta nada e só descansa quando já está fora da banheira e bem sequinha. Em contrapartida adora atirar-se para o lago do condomínio e nada com os peixinhos.

Aqui ficam umas foto da Nala para todas a conhecerem melhor!

Publicado em

Coco Chanel

A Chanel foi um sonho tornado realizado.

Desde há alguns anos que procurava incessantemente convencer os meus pais a trazermos um cão cá para casa. Eles foram sempre muito renitentes em relação a isso e nunca conseguia obter uma resposta positiva. Ainda não sabia muito bem qual o cão que queria ou aquele que poderia, de alguma forma, se identificar mais comigo, até ao dia em que, numa viagem, deparei-me com um bulldog francês super afectuoso e com uns olhos tão meigos que pensei “é mesmo isto que eu quero”…

A luta para convencer os meus pais continuava. Eles nunca tinham sido habituados a conviver com cães. Quanto muito com gatos ou com o nosso coelho anão que também é o máximo! Porém, as coisas estavam  a se tornar cada vez mais viáveis… Um dia  disseram-se “Quando começares a trabalhar, sabes que é uma grande responsabilidade…”

Pronto, finalmente. Tinha quase aquela resposta que eu  tanto ansiava! Acabei a licenciatura e, meses depois, encontrei trabalho. A tarefa que se seguia era realmente procurar um criador de bulldogs. Já andava há algum tempo a pesquisar e claro, eram todos do continente. Por coincidência ou mesmo obra do destino, alguém viu afixado na porta de um consultório veterinário um anúncio de venda de frenchies. Foi praticamente na mesma altura que comecei a trabalhar. Liguei para o criador e, uma vez mais, o destino estava do meu lado.

De quatro cachorrinhos, tinha apenas uma cadela para venda. A minha primeira opção era, sem dúvida, um cão, mas não hesitei e reservei-a logo. Dias depois fui vê-la e fiquei encantada. Era toda rechonchuda e tinha um olhar tão meigo! Sim, definitivamente, queria aquela cadela. Segundo o criador, era a mais brincalhona.  Não via a hora de tê-la cá em casa, vê-la a brincar no jardim e, quem sabe, a confraternizar com o Winnie (o coelho anão). Mas os primeiros tempos não foram nada fáceis. Aliás, o primeiro fim-de-semana que ela ficou cá foi terrível e traumatizante. Chorava imenso, dia e noite. Levava-a para  a cama e acalmava-se por algum tempo, mas não muito. Fiquei sem saber o que fazer, até que surgiu a ideia de levá-la para casa de uma pessoa próxima que tem um labrador para que a Chanel se habituasse, aos poucos, a esquecer a presença da mãe e dos irmãos.

O Baltazar tem 40 quilos e, à primeira vista, aquilo não parecia ser nada boa ideia. A Chanel era tão pequenina ao pé dele, quase que nem se via. Inicialmente, o medo e desconfiança por parte dela eram óbvios, mas aos poucos foi ganhando confiança até ao ponto em que já o provocava a todo o instante. E ele todo calmo, com grande paciência. Foi divertido para nós vê-los, mas sobretudo para eles que estavam mais do que entretidos. Passaram algumas semanas até que achei que estava na hora de ela voltar para casa. Inesperadamente da minha parte, correu tudo optimamente. Ao longo destas semanas fui-lhe habituando, trazia-a cá inúmeras vezes e, por fim, ela já sentia que esta também já era a sua casa.

Hoje tem 9 meses e é sem dúvida a cadela dos meus sonhos. Muito afectuosa, adora carinhos e companhia. Ah, e dormir, claro!

Publicado em

Alpha

A Alpha é a menina dos olhos da dona e anda com ela para todo o lado.

Nasceu no dia 15 de Dezembro de 2011 e  é uma mimada que acha que a almofada da cama tem que ser toda dela ihih.

É a cadela menos lady que se pode conhecer, gosta muito de uma pocinha de lama e de uma areiazinha para escavar uns buracos, para ela tudo é motivo para brincar… aqui ficam umas fotos muito giras da alpha.

Publicado em

Murphy

Nome: Murphy
Data de nascimento: 5 de Junho de 2011
Cor: Nasceu todo Branco mas atualmente tem umas pintas pretas
Sexo: Macho

O Murphy é um cão muito traquina, muito brincalhão.. O que ele mais gosta de fazer é ferrar as mãos dos donos e lamber as orelhas. Mas quando vê uma das suas bolas, não resiste e lá vai ele todo contente buscar a bola… Depois é tão engraçado de se ver, em vez de nos dar a bola para a mão, não.. Dá a patinha.. Fartamo-nos de rir com ele..

O que ele nao dispensa é a sua soneca ( que acontece quase a toda a hora).. Gosta imenso de dormir no sofá e de vez em quando lá vem deitar o focinho dele nas nossas perninhas.. Parece um menino de verdade.. ADORO… Mas claro, as vezes tambem sai da nossa beira, e dorme todo estendido no chão, que é mais fresquinho.

Publicado em

Fred – Frederique Formidable

Olá a todos o meu nome é Frederique Formidable.

Nasci no dia 18 de Julho de 2011.

Sou Branco e Preto.

Sou muito ativo e traquinas, não resisto a um par de meias ou a uma esfregona a trabalhar e sempre que possível roubo o que posso e guardo no meu ninho para os meus donos andarem atrás desses objetos roubados.

Adoro dar uma volta pelo nosso jardim e cheirar todos os cantinhos para ter a certeza que ainda são meus.

Gosto muito de crianças, pessoas conhecidas, pessoas desconhecidas, festinhas, festinhas, festinhas, fazer palhaçadas… enfim ser um cão muito bonito.